Sobre a Federação Portuguesa de Columbofilia

Introdução

Somos a expressão de catorze associações distritais / regionais, de oitocentos clubes e dezoito mil famílias que praticam a columbofilia.

Estamos representados ao mais alto nível nas instâncias desportivas internacionais.

Organizamos anualmente competições internacionais de grande envergadura, nomeadamente Campeonatos do Mundo, Campeonatos da Europa, Torneio das Nações Ibero-Latino-Americanas. Os processos de candidatura, a nível internacional, apresentados pela FPC para a organização destes eventos, têm sido vitoriosos graças à credibilidade e êxito conquistado pela columbofilia portuguesa.

Em quatro anos informatizámos todos os clubes e associações disponibilizando gratuitamente software adequado às diversas tarefas, nomeadamente para o recenseamento anual de pombos e sócios (falamos num universo de 4.500.000 pombos e 18.000 associados).

Somos o único país da Europa em que se verifica crescimento de todos os índices (sócios, pombos, clubes, anilhas...).

Investimos fortemente na captação de jovens. Atente-se a propósito os programas de instalação de pombais nas escolas e instituições de carácter social, programa de férias desportivas, campeonatos escolares...

Não descuramos os trabalhos de investigação através da criação de grupos de trabalho pluridisciplinares, com a colaboração de especialistas externos, cite-se, como exemplos, o estudo desenvolvido em colaboração com a Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra “O pombo-correio e a saúde pública”, o protocolo de colaboração com o Instituto de Meteorologia ou ainda a monitorização dos camiões de transporte para aferição das condições de temperatura, humidade e qualidade do ar durante o transporte dos pombos para as provas.

Desenvolvemos anualmente acções de formação de agentes desportivos ligados à Columbofilia: juizes classificadores, delegados de solta e dirigentes associativos (jovens e seniores) têm sido a população alvo de tais acções.

Privilegiamos a formação de formadores. Em complemento, levamos a efeito colóquios, debates e seminários de especialidade, nomeadamente de foro veterinário, jurídico e princípios básico de meteorologia para a columbofilia.

Em termos competitivos Portugal é uma grande potência da Columbofilia, sucedendo-se nas competições internacionais as vitórias e lugares no pódio, 

Num ambiente de crescente impacto da sociedade de informação investimos fortemente na criação de um site dinâmico, bem como de um serviço de disponibilização de dados do recenseamento on line. Editamos e remetemos para cada associado, clubes e associações, gratuitamente, a revista “Columbofilia”, com uma edição bimestral de cerca de 20.000 exemplares.

Desenvolvemos parcerias estratégicas com as autarquias, escolas e outros organismos para a divulgação e defesa do pombo correio.

Criámos gabinetes de apoio veterinário, jurídico e meteorológico para os columbófilos e estrutura associativa, com utilização absolutamente gratuita.

A columbofilia orgulha-se de ter um movimento associativo muito forte, que se habituou a não esperar para concretizar.

Somos certamente a modalidade desportiva com maior número de sedes sociais próprias, cada clube e cada associação tem sede própria, que são espaços ao serviço da comunidade onde estão inseridas. Adquirimos, com meios próprios, uma frota que ultrapassa largamente a meia centena de veículos tipo TIR, propriedade das associações distritais, e mais de duas centenas de pequenos camiões ao serviço dos clubes.

Cerca de metade dos praticantes (8.000) assumem responsabilidades directivas nos órgãos sociais dos clubes, das associações e da federação. 

Temos, consciência, que nem sempre a tutela olha a columbofilia sob este prisma. A modalidade tem sido penalizada ao não ser valorada na exacta medida daquilo que merece. 

Não pedimos para fazer, fazemos! 

Não prometemos obra, construímos! 

Não prometemos medalhas, nem resultados, apresentamos um palmarés! 

Esta realidade “obriga-nos” a um esforço de sensibilização dos órgãos de poder, especialmente a Secretaria de Estado do Desporto e o Instituto do Desporto de Portugal para o papel primordial que a columbofilia detém na Sociedade Civil.

A História não é o resultado de leis objectivas ou de forças ocultas, mas de um somatório de actos de pessoas com nome, com rosto que, no meio das encruzilhadas da vida, têm de escolher entre opções de vitória ou de derrota.

Estamos conscientes que nenhum de nós está isento de um dia mais tarde responder perante a história. A posição das futuras gerações de columbófilos dependerá em muito da definição dos valores socio-desportivos no presente. 

É nesta perspectiva de permanente construção do futuro, que apelamos ao contributo de todos quantos de forma empenhada e apaixonada procuram tornar o País, o desporto e a columbofilia cada vez melhores.

A FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE COLUMBOFILIA

1- A NATUREZA E SEDE
A Federação Portuguesa de Columbofilia é uma associação de direito privado sem fins lucrativos, visando organizar e desenvolver a prática de actividades desportivas, culturais e demais atribuições conferidas pela Lei, no âmbito do exercício da Columbofilia.
A FPC tem sua sede social própria, na Rua Padre Estevão Cabral, 79, 2º, sala 214, em Coimbra.

2- FUNDAÇÃO
Foi fundada em 5 de Novembro de 1945. 

3- PRATICANTES DESPORTIVOS, CLUBES E ASSOCIAÇÕES DISTRITAIS
A FPC tem inscritos cerca de 18.000 associados, que se distribuem por 763 Clubes e 14 Associações Distritais / Regionais.
A população columbina está estimada em 4 500 000 pombos.



A Columbofilia é, segundo os dados disponíveis, a segunda modalidade nacional, logo a seguir ao futebol. 


3.1. - ASSOCIAÇÕES DISTRITAIS
Presentemente, estão constituídas 14 Associações Distritais/Regionais. A área de jurisdição das Associações é, por vezes, mais ampla do que aquela que advém da definição de Distrito/Região.
O incremento verificado nos três últimos anos leva-nos a admitir o aparecimento, a curto prazo, de novas Associações Distritais.
Tal facto implicará uma aproximação natural entre o Distrito Geo-Administrativo e o “Distrito Desportivo”.

3.2. - CLUBES
Ao nível de Clubes, regista-se uma maior implantação no litoral. Ainda assim, é possível observar que os Clubes apresentam uma distribuição nacional.
Encontram-se registados, na Federação, 766 Clubes.

3.3. - ASSOCIADOS/PRATICANTES
Os Distritos com maior representatividade são o Porto, Aveiro e Lisboa. Apraz-nos, contudo, verificar que, nos últimos anos, todos os Distritos apresentam um crescimento do número de associados.
Complementarmente, uma outra nota positiva é a crescente adesão de jovens, facto que constitui um capital humano de primordial importância para a projecção e desenvolvimento futuro da modalidade. 

4- ENQUADRAMENTO INTERNACIONAL
A Federação Portuguesa de Columbofilia está filiada na Federação Columbófila Internacional (64 países filiados), organismo sediado em Bruxelas e é membro fundador da Associação Ibero-Latino-Americana de Columbofilia (21 países filiados).

 

5- ENQUADRAMENTO NACIONAL
A Federação Portuguesa de Columbofilia foi co-fundadora da Confederação do Desporto de Portugal encontrando-se, por consequência, filiada nesta organização.

 

6- FILIAÇÃO NACIONAL SUPRA-FEDERATIVA
A Federação Portuguesa de Columbofilia é membro de pleno direito do Comité Olímpico de Portugal.

7- ESTATUTO DE MERA UTILIDADE PÚBLICA
Este estatuto foi concedido à FPC por despacho de Sua Excelência o Primeiro Ministro, de 20 de Junho de 1978, publicado no Diário da República nº 139, II série.

8- ESTATUTO DE UTILIDADE PÚBLICA DESPORTIVA
Este estatuto foi concedido por despacho de Sua Excelência o Primeiro Ministro, nº40/94, de 30 de Agosto, publicado no Diário da República nº 209, 1ª série, de 9 de Setembro de 1994.

9-EXERCÍCIO DE CARGOS DIRIGENTES EM ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS
A FPC tem representantes seus no exercício de cargos dirigentes dos corpos sociais da Federação Columbófila Internacional, destacando-se, neste contexto, o Presidente da FPC, eleito 1º Vice - Presidente do Comité Director da Federação Internacional.

A Federação Portuguesa de Columbofilia tem representantes seus em todas as Comissões criadas no âmbito da Federação Internacional.

10- ORGANIZAÇÃO DE GRANDES EVENTOS EM PORTUGAL
a) No domínio de competições de reconhecido prestígio, a Federação Portuguesa de Columbofilia organizou ou vai organizar:

ANO

EVENTO

1959  Olimpíadas/Lisboa
1985 Olimpíadas/Porto
1992 Campeonato Ibero-Latino Americano
1995  Torneio das Nações Latino Americanas
1997 Campeonato do Mundo
1998 Campeonato do Mundo de Jovens Columbófilos
1999 Campeonato do Mundo de Jovens Columbófilos / Campeonato da Europa 
2000 Campeonato da Europa / Torneio das Nações Latino Americanas
2001 Campeonato da Europa / Torneio das Nações Latino Americanas
2002 Campeonato da Europa / Torneio das Nações Latino Americanas
2003 Campeonato do Mundo
2004 Campeonato da Europa
2005 Olimpíadas

12- ANÁLISE AO QUADRO DESPORTIVO
A Columbofilia é praticada por pessoas de ambos os sexos, por todos os escalões etários e sócio-profissionais. A Federação é a expressão organizativa dos Clubes e Associações Distritais. Inicialmente sediada em Lisboa, rumou para Coimbra em 1985. Esta viragem operou mudanças radicais de ordem organizativa na modalidade. A partir daí, Portugal enceta um percurso de ascensão a nível internacional, cotando-se, hoje, como uma das maiores potências desportivas do Mundo, no quadro columbófilo. Atente-se a evolução registada nos principais resultados nas competições desportivas de carácter internacional:

ANO

OLIMPÍADAS

CLASSIFICAÇÃO
1987 Katowice (Polónia)  11º CLASSIFICADO
1989  Dortmund (Alemanha)  5º CLASSIFICADO
1991 Verona (Itália) VICE CAMPEÃO OLÍMPICO
1993 Las Palmas (Espanha) VICE CAMPEÃO OLÍMPICO
1995  Utrecht (Holanda) CAMPEÃO OLÍMPICO
1997 Basileia (Suiça)  CAMPEÃO OLÍMPICO
1999 Blackpool (Inglaterra) 3º CLASSIFICADO
2001 Cape Town (Áfica do Sul) VICE CAMPEÃO OLÍMPICO
2003 Lièvin (França)  VICE CAMPEÃO OLÍMPICO

Classificações Individuais
Desde 1991 que os columbófilos portugueses têm conquistado inúmeros títulos olímpicos, europeus, latino - americanos e ibéricos subindo com regularidade aos vários lugares do pódio.
A columbofilia é uma das modalidades desportivas com maior palmarés desportivo e que mais medalhas tem conquistado nas grandes competições internacionais.

A nível nacional, a FPC organiza anualmente em conjunto com as Associações e Colectividades, cerca de 500 provas, nas especialidades de velocidade (150 a 300 Km), meio-fundo (301 a 500 Km), fundo (501 a 800 Km) e grande-fundo (mais de 801 Km); 40 exposições locais, 14 exposições distritais/regionais e 1 Exposição Nacional.
Os pombos são transportados em camiões com estruturas especialmente adaptadas a este fim. 

Cerca de 70 camiões, com uma capacidade de transporte individual até aos 10.000 pombos, percorrem semanalmente a Península Ibérica.
Para além destas, a Federação Portuguesa de Columbofilia organiza os campeonatos nacionais e, com periodicidade anual, uma ou duas provas Clássicas Nacionais. 

13- PROJECTOS E ACÇÕES COMPLEMENTARES À ACTIVIDADE DESPORTIVA

13.1. COLUMBOFILIA JUVENIL

Este programa / Projecto foi iniciado à cerca de 15 anos e consta da criação de núcleos columbófilos em escolas, jardins de infância centros de recuperação de tóxico - dependentes e outras instituições de carácter social.
A colaboração dos pais, professores, alunos e funcionários neste projecto tem sido exemplar, mostrando que o pombo-correio e a Columbofilia poderão desempenhar um importante papel de integração social.


13.2. FÉRIAS DESPORTIVAS

Desde 1989 que a Federação organiza o Programa de Férias Desportivas para Jovens Columbófilos.
São três os objectivos principais que presidem a este programa:
- Sensibilizar os Jovens para a prática da Columbofilia.
- Incutir a noção de convivência em grupo.
- Incentivar uma melhor inserção no tecido social, facultando o contacto com valores culturais e sociais.

O Projecto de FÉRIAS DESPORTIVAS destina-se a jovens de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 12 e os 16 anos e caracteriza-se através das seguintes vertentes:
§ Formativa:
Colóquios, palestras, visitas a colectividades e Associações...
§ Cultural:
Visitas a monumentos, exposições (pintura, fotografia...), empresas (com a observação do processo produtivo).
Face à importância da Comunicação Social, é sempre proporcionada uma visita às instalações de um jornal e /ou rádio.
§ Lúdica:
Proporcionar o conhecimento de novos locais e gentes através de passeios organizados.
§ Desportiva: 
Sensibilização para a prática da Columbofilia, jogos tradicionais e outras modalidades.

13.3.- FORMAÇÃO
A Federação tem desenvolvido, todos os anos, um extenso plano de formação para os vários agentes desportivos.
Para além dos conhecimentos de ordem técnica, é nossa preocupação fornecer um sólido quadro ético destinado a combater as pressões exercidas pela sociedade moderna, pressões estas que se revelam ameaçadoras para os fundamentos tradicionais do desporto, os quais assentam no “fair-play”, no espírito desportivo e no movimento voluntário.
Destacam-se, assim:

a) Dirigentes Desportivos

b) Juizes Classificadores

c) Delegados de Solta
d) Carácter Veterinário
e) Formação de Formadores